Artigo,  Mais lidos,  Publicado na imprensa,  Silvia Pereira

Ele pode comer essa banana

Ficamos combinados assim: foi sensacional a atitude do lateral direito Daniel Alves, brasileiro que atua como lateral direito do Barcelona, durante partida de deu time no último fim de semana.

Comer a banana que a torcida adversária lhe jogou, com o objetivo de desestabilizar seu emocional na cobrança de um escanteio, passou recados claros, eficientes, “matadores”: “vocês não me preocupam, não me desestruturam, não me despertam NADA…” Resumindo: “não sou vítima de vocês”.

Vamos combinar também que, ao contrário dos alvos de racismo pelo Brasil e mundo afora, ele “pode comer essa banana”. Bem-sucedido, rico e no auge da carreira aos 30 anos, Daniel sabe que não chegou de favor ao grupo de elite de um esporte competitivo, cheio de pressões e desafios. Sua trajetória vitoriosa o municiou com a autoconfiança necessária para não sentir-se vítima de racistas.

E daí que lhe jogam anonimamente uma banana para fazê-lo sentir-se xingado de “macaco”? No mundo real, sua fama e dinheiro atuam como um eficientes “igualadores sociais” – ficamos combinados, mais uma vez, que nossa sociedade é hipócrita assim.

Mas como esperar que outros afrodescendentes de origem humilde mantenham sua autoestima quando o racismo lhes extrai oportunidades de trabalho, educação, aperfeiçoamento, e quando o simples fato de ser negro o habilita a ser confundido e preso como ladrão? Nem todos têm a sorte do ator Vinícius Romão, de receber o apoio maciço da mídia para corrigir-se tal confusão.

Daniel Alves pode comer essa banana, mas quantos mais podem?

Silvia Pereira é jornalista nascida em Ribeirão Preto e com experiência em jornais e revistas do estado de São Paulo, como Folha de S. Paulo, Diário de Rio Preto, Tribuna de Araraquara e A Cidade de Ribeirão Preto.