Colaboração,  Palavreiros

Liberdade

CÁSSIO BIDA *

“Fugi com o circo! Adeus”. Quando leu a frase, Romeu se espantou. Mas, no fundo, sabia porque sua amada estava fazendo isto.

Desde que se conheceram, Romeu e Carmem se encantaram um com o outro. Ele com a vivacidade da moça. Ela com a sensação de paz que o jovem transmitia com naturalidade.

Romeu tinha paixão pela escrita. Gostava, vez ou outra, de surpreender com textos, palavras, frases, citações. Muitas vezes emprestadas de Machado, Cortella e Vinícius. Mas, na maioria, frases escritas por conta própria.

Já Carmem, moça prática, não era de muitos rodeios. Tinha muitas urgências. A principal de todas era viver. Principalmente depois de um Carnaval onde tomou um banho de purpurina. O brilho invadiu a alma da moça que, desde então, passou a ser intensa.

Encontrou em Romeu um rapaz pacífico. Sabia acendê-la, mas ainda faltava algo. Ela queria a paz no amor, mas tinha em si mesma o fogo e a energia da juventude. A delícia da descoberta. Aquela chama de renascimento, típica de uma fênix. Talvez por isto Carmem nunca soube lidar direito com esse negócio chamado rotina.

Romeu, por sua vez, era extremamente organizado. Metódico, o rapaz tinha hora para tudo. Acordar, trabalhar, exercitar o corpo, a mente, a alma. Depois de um tempo, pasmem, até hora para namorar ele exigia.

Carmem, no entanto, era mais flexível. Aproveitava os prazeres da vida nas horas em que bem lhe cabiam. Entendia a importância de manter uma rotina, mas não era bitolada com essas coisas.

A moça gostava de surpresas. E Romeu sabia como presentear a amada nos momentos em que ela menos esperava. Fosse com uma flor, um verso, uma canção ou mesmo uma frase. Entre números de malabares e serenatas, ambos davam seu colorido um ao outro.


Acostumado com a presença dela, parou de investir no relacionamento.
E isto deixou a moça triste em um primeiro momento.
Depois irritada. E, por fim, indiferente.


Até que, em um dia cinzento e chuvoso, tudo foi esmaecendo. Carmem queria ainda acreditar naquele amor. Só que Romeu se acomodou. Acostumado com a presença dela, parou de investir no relacionamento. E isto deixou a moça triste em um primeiro momento. Depois irritada. E, por fim, indiferente.

Foi quando ela tomou uma atitude drástica. Na calada da madrugada armou uma corda de lençóis. Teresa como o pessoal chama por aí. Desceu, sabe-se lá como, sem fazer barulho, nem chamar a atenção dos vizinhos. E, com uma pequena mochila, sumiu no mundo.

Quando acordou, Romeu deu de cara com um bilhete que dizia pouco e explicava tudo: “Fugi com o circo! Adeus”. Poderia ser para ele o fim, inclusive da própria vida. Mas o jovem escritor não terminou como o xará do romance de Shakespeare.

Ao invés do obituário, Romeu resolveu deixar à amada uma lembrança diferente. Espalhou em outdoors pelo país uma mensagem. Uma mensagem tão bonita que Carmem lembrar-se-ia dele sempre ao ler.

No cartaz, uma fênix. Dourada, de asas abertas e com as chamas em carmim. E a frase que simbolizava o sentido de todo aquele amor: “Quem nasceu para ser livre jamais se prenderá a qualquer gaiola!”

Em uma das viagens com a trupe, Carmem viu o cartaz. Deu um leve sorriso e, artista como era, ficou admirada com o gesto. A viagem de ambos, mesmo separados, seguiu. Ele com o carinho das palavras. E ela, entre malabares e contorcionismos, fazendo o dia do respeitável público mais feliz.

 

* Cássio Bida
Jornalista curitibano e funcionário público, gosta de criar escrever histórias nas horas vagas.

É autor do PodCast Cartas Faladas  que desenvolveu para espalhar amor em meio à dureza do mundo.


 

Toda semana o blog traz a crônica de um(a) ‘palavreiro'(a) convidado(a). O convite é extensivo a todos que gostam de palavrear a vida em forma de crônicas.

“VEM PALAVREAR COM A GENTE!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.