Mais lidos,  Publicado na imprensa,  Silvia Pereira

Marciana na farmácia

Diálogo presenciado numa farmácia.
Após cumprimentar um cliente conhecido na fila, uma das caixas lhe pergunta:
– Verdade que você é polícia?
– Já fui. Não sou mais.
– Mas você consegue tirar umas multas de trânsito do nome da gente?
– Já tirei muito. Hoje em dia só do meu.
Ela entrega o troco, agradece, chama o próximo, volta à carga:
– Nem tirar pontos da minha carteira? Ainda deve ter amigos lá.
O cliente pensa um pouco… responde:
– Passa os pontos para a minha [CNH]. Aí eu vejo o que eu faço. Acho que dá sim.
A caixa do lado felicita a colega:
– Tá vendo? Pra tudo na vida tem jeito.
Devido à distância entre os interlocutores, o pequeno ato de corrupção foi combinado em voz alta, à vista de todos.
Procuro identificar um olhar de indignação entre os outros cinco clientes que aguardam. Nada!
Provoco:
– E ainda reclamamos dos políticos corruptos – digo para ninguém e para todos.
Silêncio sepulcral.
Dois clientes me endereçam olhares indiferentes e logo voltam aos seus próprios pensamentos. Os outros, nem isso – “não devem ter ido a nenhuma passeata contra a corrupção”, penso.
Só o cliente ex-policial fecha a cara.
E é a caixa-multada quem passa minha compra. Pelo sorriso sem culpa que acompanha seu “bom dia e volte sempre”, tenho a certeza de que não entendeu minha provocação.
Quase tenho pena. É óbvio que não se acha uma corruptora e jamais vai entender a relação entre o seu pequeno ato e os mensalões da vida.
Saio da farmácia me sentindo uma marciana.

Silvia Pereira é jornalista nascida em Ribeirão Preto e com experiência em jornais e revistas do estado de São Paulo, como Folha de S. Paulo, Diário de Rio Preto, Tribuna de Araraquara e A Cidade de Ribeirão Preto.