Colaboração,  Palavreiros

Por onde começar?

* THAÍS REGINA ISMAIL

Nunca perder tempo. É a regra para mim, uma mãe solitária que vive com os dois filhos. Cuidar dos boletos, da casa, dos meninos, da cachorrinha, da roupa, da comida, das pernas que doem, das costas que queimam… também cuidar da mãe, do trabalho, do relógio que desperta três vezes todos os dias…

Férias! Preciso de férias urgentemente! São elas as sonhadas, esperadas de joelhos… Olhos vidrados contando os segundos… Aí chegam… Silenciosamente… Ufa!

Grito risonho dentro do carro com os filhos! Comemoramos o fim da falta de tempo pro cinema, pra visita, pro passeio, pra viagem, pra leitura, pra descanso puro e simples no cochilo do sofá (puxa… só lembro do sofá nas férias… e o resto do ano? ele é da cachorrinha… só isso? Só).

Tá. E agora? Por onde começar? O que seria mais gostoso fazer: ocupar o tempo todo com atividades ou largar-me no sofá sem relógio ou remorso? Quantas doses de Netflix?

A árvore de Natal… esqueci de desmanchar… Ah, tão linda! Tão rápido! Penso em minha mãe tentando fazer uma ceia para parentes tão queridos… meu pai prometia, mas nunca vinha. Ela chorava baixinho quando todos estavam sonhando felizes com os seus cavalos indomáveis … e anos passaram lívidos.

Aproveito e vou aos médicos. Vários. Limpo gavetas e guarda-roupas, desapego de fotos e pequenas recordações… Separo as roupas, escondo segredinhos antigos entre papeis e poeira cósmica. É bom, vez ou outra, sentir o passado… Pensar o presente… Deixar-se sonhar como adolescente…

Futuro? Ah, quero saber não. Só se for para planejar leituras de Mia Couto… poemas, por favor!

Aproveito e faço as comidinhas preferidas dos meninos. Visito a amiga de infância que amo mais que chocolate. A Pety é minha irmã com mais coração. É minha verdade sem senões. E temos vinho! Fica perfeito!

Este ano não tem viagem, mas algo está melhor. A simples ideia de estar onde eu sempre quis estar: dentro de mim mesma… a liberdade de escrever e ler quando eu bem entender. Isso, para mim, é o valor de férias reais.

A grandiosidade das coisas já me fascina naturalmente. Mas saber quem sou, sentir quem são as pessoas que amo e que estão aqui… Na vida, o amor corre ao meu redor. Por eles, peço a Deus saúde para mais dias assim.

Ah… Manoel de Barros tem um livro intitulado “Meu quintal é maior do que o mundo”… E eu digo que meu mundo já foi um quintal. Depois… acreditei que já fora um coração. Hoje meu mundo são vozes inesquecíveis, presentes e ausentes.

É libertador apenas escolher uma música… ou um poema… e aceitar-me assim e pronto.

Férias sempre funcionam. São borboletas em sorrisos, são suspiros em travesseiros fofinhos… café fumegando na virada da página poética. É soluço interrompendo a lágrima ardida na passagem do tempo… Férias… Vale tanto a pena esperar por elas!

Mas uma pergunta me surpreende: só durante as férias sei ser eu mesma?

Você já viu plaquinhas que colocam nas portas: “não perturbe”, “fechado”, “ aberto”? Pois bem, a plaquinha que escolhi, agora, durante as férias, para a porta do meu coração diz: “Sem planos”. É tão doce…

 

* Thais Regina Ismail  é professora, sonhadora profissional, amiga para todas
as horas e lírica por natureza


 

Toda semana, às quartas, o blog traz a crônica de um(a) ‘palavreiro(a)’ convidado(a). O convite é extensivo a todos que gostam de palavrear a vida em forma de crônicas.

VEM PALAVREAR COM A GENTE!

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: