Crônica,  Mais lidos,  Silvia Pereira

Uma leonina chamada Jô

Um dia depois de enterrar seu primogênito, morto de repente, aos 52 anos, de problemas de que ninguém (nem ele) suspeitava que sofresse, Jovelina Helena Bortoluci Pelegrina – a dona Jô – fez tudo igual, como em todos os outros dias. Acordou às 6h da manhã, ligou o rádio sintonizado na estação local para ouvir as primeiras notícias, fez sua toalete, o café e ligou a TV no canal que transmite a missa do “Divino Pai Eterno” – nunca perde uma.

Coincidência ou não, neste domingo o padre falou sobre resiliência. Pude ouvir do quarto em que dormi com Márcio – seu caçula – alguns trechos do sermão: “é nos momentos difíceis que temos de exercitar a nossa fé. É nesses momentos que Deus espera de nós…”.

Eu quase podia ver, como se através da parede, sua cabeça balançando em concordância, o olhar reverente e as mãos cruzadas sobre o peito. Na hora dos cânticos, que conhece de cor, eleva a linda voz de soprano com vibrato natural em louvor, como fez em tantos outros domingos durante a missa.

Mas este não é um domingo qualquer. Além de Dia dos Pais – o segundo que passa sem o pai de seus dois filhos, morto há 1 ano e meio de câncer -, é também seu aniversário de 81 anos.

Sim, Jô é leonina. Mas, apesar da juba exuberante, que mantém sempre tingida de ruivo para disfarçar os brancos, prescinde daquela auto-estima solar, típica dos nativos. Deve ter trocado sua cota por outra a mais de força, que tem de sobra.

Agora mesmo a ouço dar outra prova de como conjuga com tocante sabedoria essa força impressionante, temperada com muita humildade e fé.

Márcio vai lhe dar um beijo de “bom dia”. Ouço do quarto apenas sussurros ininteligíveis de sua voz embargada. Mas a resposta de minha querida sogra sai nítida, tranquila, sem dúvidas:

“Pensei muito. Eu não tenho o direito de… Deus me deu ele e Deus me tirou quando achou que era a hora. Não sou ninguém pra questionar”.

Esta é a parte em que esta virginiana, supostamente palavreira, fica sem mais palavras.

 

8 Comentários

  • Malu

    E deixou a pisciana sem palavras tb. Esta minha cunhada sempre me recebeu com muito carinho e um sorriso franco. Padre Bonifácio sempre dizia: Deus dá a cruz para quem consegue carregar. Um beijo no ❤️ De vocês. E muita força. Estamos aqui para o que precisarem.

  • Anônimo

    Pude perceber na missa de sétimo dia o quanto a dona Jo é uma fortaleza, deve estar em cacos internamente, mas transparece tranquilidade e serenidade para os que a rodeiam.. enfim uma leonina ! Uma rocha! Uma fortaleza! É assim que eu a vejo e admiro muito! E vc uma linda que nos emociona c suas crônicas.. bjs prima

  • Helba

    Silvia, dê mais um abraço na sua sogra por mim. Não consigo imaginar a dor de uma mãe ao perder um filho. Agora meio o semblante de tristeza profunda da minha avó com a morte da minha mãe e dos outros dois filhos que eu a vi enterrar. Minha vontade era de ter super poderes para acabar com aquilo. Sei lá, não deve perda mais dolorida não.

  • Karine Caldas

    Silvia, é Dia dos Pais. Meu pai está no Piauí e, se Deus permitir, em poucos meses meu abraço pra ele será uma rotina. Meu filho está no quarto ao lado, ainda está dormindo. Eu estou no banheiro. Estou chorando lendo sua crônica. Ainda de pijama, nessa manhã do Dia dos Pais. Corre até sua sogra e dá um abraço nela por mim. Vou já correr até meu filho e abraça-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: